Crítica Portuguesa

29.3.06

Tempos modernos

Aparentemente, a gratuitidade simplex do Diário da República, anunciada pelo nosso timoneiro, vai ser financiada por publicidade...

(Via Grande Loja do Queijo Limiano.)
colocado por JLP, 21:32 | link | 1 comentários

22.3.06

Momento de humor do dia XII

O Comité Executivo da UEFA acusou hoje o G14, que reúne alguns dos principais clubes europeus de futebol, de "só querer ganhar dinheiro", ao ter alegadamente exigido uma indemnização de 860 milhões de euros à FIFA pelas lesões que os seus jogadores sofreram ao serviço das selecções nos últimos dez anos.

Público Última Hora, com negritos meus.

São uns chacais, estes clubes! Deviam aprender com o exemplo de filantropia da UEFA, onde toda a gente concerteza trabalha de borla:
Revenue split

UEFA is a non-profit making organisation and so the revenue generated from these events is split between running costs of UEFA and UEFA events that are not self-financing, and re-distribution back to the 52 member associations of UEFA. For example, of the €809m (1,250m CHF) generated from EURO 2004™, €226.5m was spent on the running costs of EURO 2004™, €194m on UEFA’s other running costs, €129.5m was awarded to competing nations at EURO 2004™, and a further €259m was distributed amongst the 52 national associations via the HatTrick assistance programme.
colocado por JLP, 18:19 | link | 1 comentários

Pérolas

No Mens Agit Molem:



Destaca-se por entre as tiradas "brilhantes", uma que destoa e que exprime o potencial escondido de um futuro liberal:
O que é de interesse de todos nem sempre interessa a ninguém.
colocado por JLP, 17:23 | link | 2 comentários

20.3.06

Novos ares

Como quem por aqui vá passando já terá notado, iniciei há pouco tempo a colaboração no recém-formado blog colectivo Small Brother. Apesar de ainda estarmos a afinar as agulhas, a ideia é que esse seja um local de convivência de várias visões pessoais sobre o liberalismo e poiso de discussão, dentro da possível óptica liberal, sobre tópicos de fundo e sobre aquilo que for emergindo do dia-a-dia luso e internacional, quase sempre tão longe do ideário tão longínquo que move (já) tantos de nós.

Como outros Vencidos da Vida de outrora (que alguém tão doce me trouxe recentemente para mais perto), e passando-se obviamente a pálida comparação, decidimo-nos eu, o Cirílo, o Vitor e o Francisco, homens da Invicta vítimas mais ou menos feridas dos meandros e das aventuras e desventuras do Liberalismo luso, juntar para conversar e discutir (e eventualmente contribuir para) aquilo que, cada um à sua maneira, nos vai movendo na política, palavra infelizmente cada vez mais dessacralizada.

A Crítica também seguirá, espelho dos meus pensamentos mais pessoais e de paixões mais generalistas.

Conto desde já com a visita e desejo o comentário de todos os que acharem por bem lá aparecer. Pelo menos da minha parte espero não desiludir.
colocado por JLP, 12:25 | link | 0 comentários

13.3.06

Coerência, obstinação e resolução

Ou como às vezes uma "jotinha" até dá tanto jeito e não se pode viver sem ela...

Em 21/01/2006:
Na sequência da comunicação recebida nesta Secretaria-Geral, no dia 24 de Janeiro de 2006, verifica-se a inexistência dos requisitos exigíveis para o funcionamento do Círculo das Novas Gerações.
Em 11/03/2006:
Face à necessidade de continuidade da expansão e divulgação da NovaDemocracia e, com vista à criação de áreas de actuação abrangentes e dinamizadoras, vem a Direcção Executiva, comunicar a sua intenção de reactivação de um “Círculo para as Novas Gerações”.
colocado por JLP, 11:52 | link | 0 comentários

Desculpem lá que pergunte...

Questionado sobre o que motivou a reforma, o jurista Rui Pereira afirmou que "a revisão parte do pressuposto de que o Código Penal é um bom código, embora careça de aperfeiçoamentos, sendo que alguns são impostos por decisões quadro da União Europeia e por outros instrumentos internacionais".

(Público Última Hora, com negritos meus.)
...mas que mandato é que foi conferido à União Europeia no sentido de poder impôr legislação no domínio criminal?
colocado por JLP, 11:06 | link | 0 comentários

7.3.06

Singalong



Finland, Finland, Finland,
The country where I want to be,
Pony trekking or camping,
Or just watching TV.
Finland, Finland, Finland.
It's the country for me.

[...]

Finland, Finland, Finland,
The country where I quite want to be,
Your mountains so lofty,
Your treetops so tall.
Finland, Finland, Finland.
Finland has it all.

Finland has it all.

Monty Python

Nota: publicado em simultâneo no Small Brother.
colocado por JLP, 17:29 | link | 1 comentários

Geminação

Manuel Monteiro achou por bem vir anunciar em coluna no seu Democracia Liberal as cinco diferenças que segundo ele "sem ambiguidades", justificariam um "clara separação de águas" entre a Nova Democracia e o seu antigo partido, o CDS, num exercício que promete alargar aos demais partidos. A saber, essas cinco diferenças seriam:
1. A Nova Democracia é, no plano europeu, defensora dos Estados – Nação (é soberanista) e por isso nunca aceitaria estar inscrita no Partido Popular Europeu; o CDS é membro activo deste Partido pelo que, directa e indirectamente, está comprometido com o pensamento federal.

2. A NovaDemocracia considera que a interrupção voluntária da gravidez é antes de mais uma questão individual, pelo que não adopta sobre o assunto, enquanto partido, uma posição formal, deixando isso ao critério de cada um dos seus membros; o CDS, fiel aos princípios da Doutrina Social da Igreja, tem nesta matéria uma posição oficial, manifestando-se enquanto partido pelo não ao aborto.

3. A NovaDemocracia é defensora do Presidencialismo, considerando que essa mudança no sistema de governo é fundamental para o reforço da estabilidade e da clareza nas relações entre os eleitos e os eleitores; o CDS advoga o semi – presidencialismo (ou seja a manutenção do actual sistema).

4. A NovaDemocracia é defensora da total liberdade de circulação de pessoas, capitais e mercadorias entre países livres e democráticos, defendendo, como princípio político, a manutenção de barreiras alfandegárias para os países cujos regimes não sejam democráticos; o CDS concorda com a evolução do comércio tal como definido pela OMC (Organização Mundial de Comércio).

5. A NovaDemocracia é defensora da Taxa Única ao nível do IRS; o CDS mantém a convicção de que a progressividade do imposto, associada a benefícios fiscais mais abrangentes e a deduções à colecta mais extensas, garante objectivos de justiça fiscal.
Sinceramente, a escolha de assento no Parlamento Europeu (e de pertença a alegados "partidos" Europeus sem qualquer matriz ideológica), o afirmar de uma não-posição sobre o aborto, a defesa do presidencialismo e do "proteccionismo democrático" e a defesa de uma flat rate limitada ao IRS parece-me muito pouco. Muito pouco para justificar um partido que se apresenta como "vizinho" em termos de espectro político do seu anterior partido, e pouco trabalho para um partido já com alguns anos no terreno, e que algum dia se apresentou como próximo do liberalismo. Tal pobreza de posições torna difícil de compreender que se tenha achado algum dia que não era possível efectuar essas mudanças no interior do CDS, e em vislumbrar e conceber a Nova Democracia para além de um projecto pessoal de poder por fragmentação da quota de mercado.

Nota: publicado em simultâneo no Small Brother.
colocado por JLP, 17:06 | link | 0 comentários

Paradoxos do estado social

"A nossa Constituição proíbe expressamente que, num sistema em que os serviços públicos de saúde são tendencialmente gratuitos, seja a população a pagar esse mesmo serviço", defendeu a deputada do CDS-PP Teresa Caeiro, em declarações à agência Lusa.

Os democratas-cristãos consideram ainda que o aumento das taxas moderadoras é "injusto", realçando que "penaliza de igual modo os utentes com mais e menos recursos dentro da classe média". "As pessoas com menos recursos estão isentas do pagamento de taxas moderadoras. Mais uma vez quem fica prejudicada é a classe média", disse Teresa Caeiro.

(Via Público Última Hora, negritos meus.)
Aparentemente, no estado social luso, em que foram instituídas taxas moderadoras alegadamente para dissuadir o uso dos serviços de urgência para a resolução de problemas de saúde para que este não é vocacionado, só quem paga o serviço é que tem que ser moderado.

Nota: publicado em simultâneo no Small Brother.
colocado por JLP, 15:08 | link | 0 comentários

5.3.06

O estado é tão nosso amigo

Do relatório e contas de 2004 da REFER:Do relatório e contas de 2004 da CP:Conclusão: os 10.566.212 de Portugueses, indiferentemente de andarem ou não de comboio, de produzirem ou consumirem mercadorias transitadas por comboio, e desprezando custos adicionais devidos ao monopólio e às tarifas tabeladas impostas pelo estado, bem como os custos de oportunidade, pagaram do seu bolso ou endividaram-se em €40. Naturalmente que se restringirmos essa despesa ao universo do contribuintes, os valores ficam bem maiores...

Nota: publicado em simultâneo no Small Brother.
colocado por JLP, 21:05 | link | 1 comentários

Até quando?

Neste rectângulo à beira-mar plantado em que a escolha de modelos económicos ensinada à generalidade dos nossos economistas é constituída pelo keynesianismo e pelas economia de modelo comunista, o primeiro instituído como cartilha do nosso bloco central, de Cavaco e Sócrates a Soares, a multidão bem comportada de contribuintes lá vai aceitando de bom grado continuar a alimentar o monstro do estado, engordado à custa das clientelas da política vigente e das megalomanias de pirâmides inúteis que vão constituíndo os gloriosos projectos de regime de sucessivos governos.

Temos um panorama político preenchido de originalidades: um partido entitulado social-democrata que não hesita em clamar espaço à direita do espectro político, um partido comunista pérola-de-museu aberto às portas do Mundo de ortodoxia marxista-leninista e que tem como modelos Cuba, a Coreia do Norte e os amanhãs-que-cantam de outrora, todos universos de reconhecida prosperidade e progresso social e tecnológico; um partido dito socialista, que ora arregaça o punho, ora veste Armani e se atira aos choques; um partido democrata-cristão-folclórico, orfão de pai perdido para as fileiras do centro-que-não-muda e vitima reconhecida do lenocínio político, grupinho de gladiadores defensores da moral contra a nova esquerda de cheiro a bafio e perfumada por noites da folha e herdeira das causas da mudança-porque-sim.

Da (r)evolução sobrou-nos um panorâma político coxo à partida, ocupado em guerras sucessivas de luta por um centrão podre de alternâncias de carreirismo político, em que a ideologia sempre foi palavra desconhecida, e que logrou, apesar de tudo com infeliz sucesso, anestesiar os cidadãos e conduzi-los à confortável posição de ganadeiros da vaca do regime.

Assim se foi construindo o estado paizinho do povo, a desculpa generalizada e confortável para a desresponsabilização e o não querer fazer, o papão da retenção na fonte da riqueza nacional, confortavelmente retida longe dos olhos dos cidadãos, e gerida a bem do clube e da malta pelos ungidos pelas últimas eleições.

Hoje, assim como as crianças passaram a suspirar não por ser veterinarios, astronautas ou bombeiros quando fossem grandes, mas sim jogadores da bola, vai-se construíndo o país em que os mais velhos vão querendo ser gestores públicos quando estiverem na mó de cima, e que algum dia também possam chafurdar um bocado na lavagem.

Mas as notícias são preocupantes, infelizmente. Aos contribuintes e cidadãos Portugueses vai faltando constatar que o dinheiro das festas está a acabar, e que o paizinho que outrora tinham em tanta consideração e que era o garante dos seu futuro está a fazer contas e a olhar para o buraco da falência. A maquinaria, essa vai sendo deslocalizada para locais bem mais solarengos.

Até quando vamos ficar com os olhos fechados?

Nota: publicado em simultâneo no Small Brother.
colocado por JLP, 21:03 | link | 0 comentários

1.3.06

Parabéns!

Os meus parabéns (atrasados) ao Insurgente e ao Blasfémias, quando comemoram os seus aniversários.

Incontornáveis (mesmo que às vezes ignorados pelo incómodo que vão causando) pilares da nossa blogosfera lusa, que há muito vão viciando.

Cumprimentos para todos que os vão construindo.
colocado por JLP, 12:03 | link | 1 comentários

Prada




Não sei porquê, detecto que possa emergir alguma ironia, mesmo que involuntária, aquando da estreia anunciada para este ano do filme referido acima...
colocado por JLP, 06:44 | link | 1 comentários

Eis a Verdade!

Ao que parece, a Câmara dos Representantes do Utah proclamou a Teoria da Evolução como Verdade™, com um redondo resultado de 46-28.

Provavelmente no seguimento do brilhantismo demonstrado pela Câmara dos Representantes do Indiana, que proclamou Pi como sendo igual a 3...
colocado por JLP, 06:30 | link | 0 comentários